Seja bem vindo ao Blog da Saúde LGBT

Neste espaço o Dr. Paulo Branco ira continuamente publicar matérias além de responder duvidas
relacionadas a Medicina e Qualidade de Vida voltadas a população LGBT. Este espaço no entanto,
não substitui a consulta médica, que deverá ser feita pelo médico, no consultório, de corpo presente.



Alguns amigos e pacientes do Dr. Paulo Branco que inspiraram ele a fazer esse Blog.

Youtube - Dr. Paulo Branco

Youtube - Série especial de vídeos

sábado, 31 de outubro de 2009

Livro G: E qual o conteúdo?

O índice do livro é formado por capítulos que descrevem de forma clara e objetiva temas dirigidos para o dia a dia do público GLBT, como:
Anatomia e fisiologia
Erotismo
DST
Ativo e passivo
Complicações da relação anal
Proctologia
Disfunção sexual

Adquirir o livro com Mônica:
Fone: 011-86663281

E sobre o livro?

A idéia surgiu pela carência de informações na minha prática medica diária. Eu atendia o paciente que me cobrava um livro com uma linguagem clara, objetiva e educativa para a sua vida sexual e saúde.

Existe livro educativo para o publico GLBT?

Este publico aprende na cultura de ouvido e com a prática do dia a dia. Você poderá procurar um livro especifico para o publico nas prateleiras e áreas específicas das melhores livrarias de SP ou do Brasil e não achará. Isto acabou e você poderá ler o meu livro: Manual da Saúde GLBT na forma de CD ou de um medico americano: Manual do Amor Gay. A leitura destes livros é fundamental para a sua educação e orientação.

Doenças sexualmente Transmissiveis e a relação medico-paciente, e qual a clareza?

Tenho observado no dia a dia de 15 anos que atendo o publico G uma dificuldade do paciente em falar de forma clara com o seu medico sobre a DST. O medico deve se comportar como um amigo, ouvir, compreender e ser claro e ético ao expor as formas de tratamento com vantagens, desvantagens, resultados estéticos de grande importância para o publico G e funcionais. Muitos pacientes são menores e se vêem em situações que não conseguem entender e nem tão pouco explicar para a sua família que muitas vezes nem sabe das suas preferencias sexuais. Eu aprendi ao longo destes anos e vivenciado diferentes situações que o paciente se encontra vulnerável, constrangido e muitas vezes revoltado pela forma que contraiu a doença e a forma como teve o apoio do companheiro, família, sociedade e em alguns casos até com o medico. O medico deverá ser transparente nas informações e se tornar um sócio na saúde do paciente e juntos alcançarem os melhores resultados do tratamento das DST.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Onde as DST são mais frequentes?

A promiscuidade e a prostituição constituem os fatores de risco incontestáveis para as doenças sexualmente transmissíveis. Os homossexuais monogâmicos não correm um risco mais alto que os heterossexuais monogâmicos.

Onde estes vírus moram?

Estes vírus se escondem nas bainhas de revestimento dos nervos, dentro dos gânglios e células comandando o código genético destas células e colocam-se em uma posição que as suas células de defesa ( glóbulos brancos) não conseguem destruí-las e nem os medicamentos conseguem chegar em uma concentração mortal para esses vírus e aí você entende a dificuldade de tratamento destas doenças.

Eu fico protegido com a camisinha?

A camisinha em que se confia tanto não é suficiente para protege-lo. Se o seu parceiro estiver nas preliminares friccionando o penis na nádega ou virilha, poderá facilmente passar-lhe um vírus e você poderá achar que isso não acontecerá por obriga-lo muitas vezes a usar uma camisinha mesmo durante as preliminares. Mas não esqueça que algumas áreas não são cobertas pela camisinha, como púbis, pele da bolça escrotal e a base do pênis e poderão conter o vírus.

E as preliminares se corre risco de transmissão das DST?

Essas doenças não exigem a ejaculação nem mesmo a penetração para serem transmitidas, ocorrendo a transmissão pelo simples contato com a pele como no herpes e condiloma. Nas preliminares somente a fricção da pele com pele poderá transmitir a doença, já que estes vírus habitam a pele nas suas camadas mais profundas.

Você sabe quais as DST mais frequentes no homem?

Nos tempos da AIDS, a maioria dos homens esquecem de todas as outras doenças sexualmente transmissíveis. Embora a lista contenha um grande numero, as mais comuns são: O condiloma ( HPV), herpes e molusco contagioso.

sábado, 10 de outubro de 2009

HPV: E as pomadas?

Eu as abandonei para uso anal e peniano pelos maus resultados estéticos que pude comprovar em pacientes que fizeram uso das pomadas. No paciente G o medico tem de considerar a estética que poderá comprometer a sua autoestima.

HPV: Qual a melhor forma de tratamento?

E aquela que o medico tem experiência. Eu há 10 anos só trato com o laser associado a medicamentos que aumentam a resistência local.

HPV: poderá ocorrer contaminação por roupa intima?

Poderá ocorrer a contaminação por roupas íntimas e objetos de uso pessoal, como sabonetes, escova de dente e dildos ( brinquedos) para fins eroticos e de masturbação.

HPV: Qual o risco de contaminação do parceiro?

Em 20% a 40% dos casos os dois apresentam a infecção, portanto no momento da consulta eu sempre peço para que o parceiro também seja examinado, principalmente nos pacientes com a pele cobrindo a glande, onde há uma incidência maior da doença no pênis do ativo.

HPV: Quais as pessoas com maior predisposição?

O HPV acomete as pessoas com queda da imunidade, tais como: Diabéticos, transplantados, AIDS, quimioterapia, uso cronico de corticoides e o estresse intenso.

HPV: Sexo oral transmite?

O sexo oral é uma das maneiras pelas quais poderá ocorrer a transmissão de várias DST. Lesões pelo HPV na forma de verrugas poderão ocorrer na boca, língua, lábios, faringe e laringe. O sexo oral praticado na pessoa com hpv tanto transmite como poderá ocorrer a contaminação.

HPV anal pode causar câncer?

Pode. Porem os pesquisadores não evidenciaram maior incidência de câncer anal em pacientes com HPV anal quando comparados com os pacientes sem HPV. Nos pacientes com HIV a possibilidade é maior de as verrugas anais evoluírem para o câncer.

HPV: O risco é maior nos homossexuais?

A diferença está no numero de parceiros e na promiscuidade que quanto maiores maior a incidência de contaminação pelo HPV, tanto em homo quanto em heterossexuais. Nas relações sexuais entre homens, a chance de contaminação anal e retal é maior e consequentes a penetração.