Seja bem vindo ao Blog da Saúde LGBT

Neste espaço o Dr. Paulo Branco ira continuamente publicar matérias além de responder duvidas
relacionadas a Medicina e Qualidade de Vida voltadas a população LGBT. Este espaço no entanto,
não substitui a consulta médica, que deverá ser feita pelo médico, no consultório, de corpo presente.



Alguns amigos e pacientes do Dr. Paulo Branco que inspiraram ele a fazer esse Blog.

Youtube - Dr. Paulo Branco

Youtube - Série especial de vídeos

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Erotismo como causa de DST nos gays, ilustrado com fotos e vídeos.







AIDS: Leia os últimos números.



Videos educativos sobre DST: Dr Paulo Branco





Clinicas: Proctologista

Dr Paulo Branco



- Proctologista na lapa, rua Clélia, 397.
Fixo: 11- 3672-8943
Fone/whatsApp: 11-986663281


Mônica






- Proctologista na Vila Olímpia.
Fones:
Fixo: 11-3846-7973
Móvel: 11-9912-2513


Fatima




- Proctologista na Praça da Republica 376 – Cj 62 centro:
Fone: 11-3331-7016


Renata



Informativo: Dr. Paulo Branco.
Como dito anteriormente, não se fala mais em grupos de risco, mas em comportamento de risco. Sabe-se que os comportamentos de risco estão relacionados, principalmente, à prática do erotismo nas diferentes opções sexuais sem proteção e a outras situações como a transfusão de sangue contaminado, o uso de seringas e agulhas compartilhadas e ao uso de drogas, antes, durante e após a balada.

Promiscuidade: Comportamento de risco.



Palavra para os gays:
O sexo entre pessoas do mesmo sexo ainda é hoje visto por muitos como algo abominável e pecaminoso, carregado de estigma. Por muitos anos, HIV/AIDS foi visto como uma doença que atingia apenas homens homossexuais, ideia que felizmente não se manteve, pois houve uma disseminação entre todas as camadas da sociedade – homens, mulheres, crianças, jovens e idosos – homossexuais e heterossexuais. O estigma vinculado à homossexualidade acarreta vulnerabilidades a esse grupo. Tais vulnerabilidades estão associadas ao preconceito e à violência que sofrem, fazendo buscar lugares isolados e poucos seguros para a prática do sexo.    


Lugares inadequados:



Erotismo:
Os gays ficam enamorados, se apaixonam, amam e sofrem como todos os casais. Cultivam muito o erotismo nas suas relações, principalmente o passivo, que se mostra muito mais sensível, afetuoso, enamorado e criativo no quesito erotismo, que o ativo. Os gays são extremamente sexuais, intensos e para isso cuidam do corpo como ninguém, e esse comportamento muitas vezes determina o sexo forte consentido, em locais inadequados e desconhecidos, sem nenhuma chance para a sedução, conquista, namoro, beijos, carinhos, caricias e erotismo de muitos casais.  



Sexo forte consentido: Ativo sem controle.


- Preliminares:
As preliminares são tão importantes no sexo anal quanto na penetração vaginal. Embora o ânus não se auto-lubrifique como uma vagina durante as preliminares, esta é uma etapa essencial para quem quiser atingir um relaxamento definitivo dos esfíncteres. Também vai ajuda-lo a perceber se o seu parceiro vai fazer aquilo que você quer. Para que a penetração ocorra sem machuca-lo, seu parceiro deve esperar de 3 a 5’, massageando os esfíncteres.



Relaxamento:



DST nas preliminares:
- Preservativos: Você nunca deverá esquecer do sexo seguro durante as preliminares. Em outras palavras a camisinha não será só para transar. Muitas vezes durante as carícias preliminares, seu parceiro poderá esfregar o pênis sem camisinha nas suas nádegas, na pele perianal e mesmo brincar de introduzir a glande na  abertura e canal anal. Embora a transmissão do HIV seja rara sem o contato com  sangue e esperma, isso poderá acontecer. A pré-ejaculacao carrega o HIV e pode transmiti-la a você. O contato corpo a corpo ou superficial dos genitais, sem penetração e sem o preservativo poderá transmitir outras doenças, como:
Herpes
Verrugas de HPV
Sífilis
Gonorréia
Essas doenças não ameaçam a sua vida, mas poderão torna-la sofrida física e emocional, por isso coloque a camisinha no seu parceiro tão logo perceba a possibilidade de qualquer contato com a região anal. Se ele reclamar, lembre-se de que o contágio poderá acontecer para qualquer um dos dois. Você também o está protegendo de algo que possa estar em você.


Verrugas de HPV:

Verrugas de HPV:
Herpes no pênis:
    Dedos e unhas:
Muitos homens introduzem os dedos ou outros objetos no ânus para masturbação nas preliminares, comportamento que não está livre de riscos. Os dedos podem ser muito mais perigosos do que um pênis se as unhas estiverem afiadas ou anéis de diamante cortarem a pele delicada do ânus, e portanto  
antes de enfiar o dedo no seu ânus, certifique-se que o seu dedo, ou o do seu parceiro, não tem nada que possa corta-lo ou transmitir infecções. Não introduza mais que um em seu ânus ao prepara-lo para o sexo anal. Na tentativa de alarga-lo com mais de um dedo, as consequências poderão ser ferimentos e espasmo dolorosos do músculo formador do esfíncter anal. Esses ferimentos poderão determinar fissuras na abertura anal, com sangramento que aumentará o risco de contrair DST.





Informação importante: Dr. Paulo Branco Ferimentos: Antes das DST eu queria que você soubesse que a maioria das lesões e ferimentos ocorridos durante as preliminares diagnosticados e tratados na minha clinica, decorreram de uma penetração forçada do pênis, brinquedos e dedos. Então saiba que o seu ânus jamais será pareô para um ativo cheio de tesão e desgovernado, e que você ( passivo) terá de ter o controle no inicio da penetração.  


- Beijo:
Muito importante para a quase totalidade dos amantes, sem beijar a relação se torna impossível para muitos, que também poderá ser um indicativo para a queda no libido e tesão dos relacionamentos que estão direcionados para o fim. Teoricamente, o beijo é uma avenida em potencial para a transmissão de DST como o HIV. Até hoje, nenhum caso foi registrado na literatura médica, mas os médicos continuam alertando de que o beijo de língua ainda representa algum risco. Se você tiver inflamações na boca, feridas ou se o seu parceiro soropositivo morder você, então você estará arriscado a contrair o HIV.  



- Sexo oral:
Para os gays, o sexo oral é um dos atos sexuais mais íntimos. E, depois da masturbação mútua, a felação pode ser a próxima brincadeira mais tentadora para um adolescente que está entrando no mundo do sexo gay, antes mesmo do beijo de língua.




Risco de DST:  Aqui está uma das questões mais controversas no sexo entre homens. Um tema debatido, exposto, proibido e defendido, quase sempre tudo ao mesmo tempo, tanto por homossexuais quanto por heterossexuais. Os Centros de Controle de Doenças, assumindo uma postura bem prudente, chega a dizer que o uso da camisinha deveria ser adotado em todas as praticas do sexo oral. O risco de você contrair uma DST pelo sexo oral, é muito baixo, mas existe. As pesquisas, concentram-se nos detalhes das praticas dos homens que não tinham o HIV e que acabaram se tornando soropositivos. Os médicos esperam que fazendo isso iriam saber se homens que faziam apenas o sexo oral, e não o sexo anal, podiam contrair o vírus. Parecia perfeito, mas o número de gays sem o HIV que praticavam apenas o sexo oral e mesmo assim contraíam o vírus era pequeno, o que tornava a análise dos números para fins de estatística e fatores de risco muito difícil. Um grande estudo médico conduzido com homens em São Francisco concluiu que há risco de contaminação após o sexo oral, mas que isso é muito menos provável do que uma contaminação após sexo anal passivo. Surpreendentemente este estudo também descobriu que a ejaculação na boca não aumenta o risco. O sexo oral desprotegido, mesmo sem ejaculação, poderá não ser seguro o bastante. Se o seu parceiro for bruto e machucar a sua garganta, ele pode aumentar as chances de contaminação.

Conclusão: Não pratique nenhuma forma de sexo oral desprotegido, principalmente se você tiver uma inflamações ou sangramento na gengiva, condições favoráveis as DST.


- Anilíngua:


Apesar do risco ser muito baixo, fazer caricias com a língua nas regiões anal e perianal do parceiro poderá transmitir DST. Para pegar as doenças abaixo, não precisará nem ter a penetração e nem ejacular, basta ter o contato dos genitais na própria anilingua.  Essas doenças podem ser pegas também na garganta, são elas:
Hepatites A/B
Giárdia e ameba
Herpes
HPV
Gonorreia.


Verruga de HPV:
Herpes no pênis:


Brinquedos eróticos e DST:
Se você gosta de brinquedos eróticos ou dildos, não os troque com o seu parceiro, a não ser que estejam protegidos por um preservativo e que este seja trocado antes de cada penetração. Evite brinquedos com extremidades pontiaguda ou afiada, que poderão determinar ferimentos o que aumentaria em muito o risco de contrair uma DST.


Brinquedos adequados:


Lâmpada: Objeto inadequado.
Garrafa: Objeto inadequado.




Penetração x DST:


Sexo sem camisinha = DST.

Sempre use camisinha. As DSTs são um risco para os dois lados e o ânus é seguramente o local de maior risco de contágio. Você poderá ser facilmente infectado por qualquer microrganismo presente na pele perianal e dentro do canal anal do seu parceiro. Antes da penetração, eu o aconselho a pensar no risco de se contaminar com uma nova doença a cada novo parceiro. Se estiver na dúvida por não conhecer ou o parceiro ser de risco você poderá escolher algo menos arriscado, como a masturbação  ou mesmo o sexo oral com preservativo.
O sexo anal é uma das formas mais frequentes de transmissão de DST. O atrito intenso da pele por exemplo associado a uma lubrificação deficiente poderá transmitir o HPV, assim como a fragilidade da mucosa do reto não aguenta o trauma da relação, poderá haver uma inflamação, proctite e mesmo ferimentos como eu já constatei com mais facilidade de transmissão por via sanguínea, como a hepatite e o HIV.
Muitos pacientes chegam na minha clinica falando que a camisinha escapou para dentro do reto, não estava no pênis no final da relação. Realizei um exame endoscópico em todos os pacientes e não achei a camisinha. Cuidado porque muitos ativos, por não gostarem da sensação brochante do preservativo, retiram a camisinha antes da penetração.



Preservativo sempre:


Ejaculação na Boca:

Saiba que o vírus do HIV esta presente em todas as secreções, e portanto não será diferente no esperma. A presença de inflamação na gengiva e ferida, facilitará a contaminação, porém o simples contato do esperma com a mucosa da boca poderá transmitir a doença. Se o orgasmo do ativo ocorrer na boca do passivo, o risco de transmissão pelo sexo oral aumentará mais ainda. A transmissão não será pela saliva, mas sim pelo esperma com o HIV.

Ejaculação sem preservativo transmite HIV:

Verruga de HPV na uretra:

Verrugas de HPV na bôca:

Verrugas de HPV na Bôca:


Camisinha sempre:





domingo, 23 de novembro de 2014

sexo anal, porque fazer e não fazer?



Proctologista, Dr Paulo Branco  explica o porque de fazer e não fazer o sexo anal, com video ilustrativo.



Entrevista: Leo Aquila.






























quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Proctologista: Procedimentos sem internação:

Proctologista realiza cirurgias sem internação, em clinicas e hospitais treinados no atendimento do publico gay, ilustrado com fotos e video.

Proctologista: Dr. Paulo Branco
Contatos:
e-mail:paulobranco@terra.com.br
WhatsApp: 995204135 / 987164052
Central: 11-986663281( Mônica)


                            Video: Entrevista com Leo Aquila.






Clinicas:

- Proctologista na Vila Nova Conceição:
Fixo: 11- 3846-7973
Móvel: 11 – 9912-2513 / 78317379




-     Proctologista na Lapa:
Fone/whatsApp:
11- 986663281





- Proctologista no Centro de Sp, na Praça da Republica:
Fones:
Fixo: 11-3331-7016
Fone/whatsApp: 11-98415-2089






Agendamento:
Deverá ser feito por uma das secretarias acima citadas e, será obrigatório passar por consulta com o proctologista para que seja discutido de forma bem interativa no computador, o diagnostico e tratamento das doenças proctologicas.
A consulta deverá demorar o tempo necessário para esclarecer todas as suas duvidas, e dela fará parte também a endoscopia do ânus, chamada de anuscopia, que detectará as doenças dentro do canal anal e reto.

Consulta interativa:



Clinica:





Atendimento:
Criamos uma experiência de aproximadamente 14 anos no atendimento ao publico gay, que se resumimos em três palavras:
- Igualdade;
- Amizade;
- Respeito.

Fabio: Paciente e amigo.




Internação: O atendimento e agendamento serão feitos pelas minhas secretarias e do hospital, e o tempo de internação será o necessário para realização do procedimento com segurança, isto é, geralmente os pacientes não ficarão internados no hospital e terão alta após a cirurgia.


Agendamento de cirurgias.



Objetivo e custos:
 A ideia ou objetivo será tornar viável o tratamento para todos os pacientes, que geralmente estão com dificuldade pelo tempo de espera nos planos de saúde , pelo medo das contas hospitalares, proibitivas e impossível para a classe media e pelo tempo de espera nos hospitais da rede pública, dando aos pacientes uma qualidade de vida digna, e com retorno o mais breve possível as suas atividades gerais e de trabalho. 

Procedimentos:
São realizados geralmente sob anestesia local e se necessário uma leve sedação. Alta ocorrerá a seguir.  
São eles:


Proctológicos:
Hemorroida;
Fissura anal;
Fístulas;
HPV;
Cisto pilonidal.





                                          


                            Entrevista: Doenças proctologicas.



Cirurgia geral:
- Hérnia Umbilical;
- Hérnia Inguinal;
- Hérnia Incisional;
- Fimose: postectomia
- Tumores de pele.


Equipe e equipamento:
A cirurgia de uma forma geral exige uma equipe treinada para que o procedimento transcorra da melhor forma possível. Na proctologia quanto mais tempo essa equipe atuar junta, melhores serão os resultados dos tratamentos propostos. Em proctologia para cada patologia, teremos equipamentos específicos para este fim, e como exemplo posso citar um afastador metálico que uso para o tratamento das fístulas anais. Esse afastador eu achei em uma oficina mecânica, de disposição angulada, quando eu vi e peguei nas mãos imediatamente pensei nas fístulas e também no cisto pilonidal. E perfeito para a identificação de todos os componentes da fístula perianal e na relação de contiguidade desta com o músculo formador do esfíncter anal, que é um verdadeiro tormento para os proctologistas pelo risco de lesão do esfíncter com aparecimento da incontinência anal.  

Equipamento adequado:


Tecnologia:

- Anuscopia de Alta – resolução: HPV
Tenho feito de rotina no acompanhamento dos pacientes tratados de HPV com o laser, a analise da pele das regiões que poderão conter o vírus do HPV nas suas camadas mais profundas. Esse exame tem grande importância para o prognostico e no diagnostico da forma mais frequente de apresentação clinica do HPV, que é a assintomática, isto é as pessoas tem os vírus morando na camada mais profunda da pele, porem não sem verrugas. Esse exame determinará a melhor forma de tratamento para cada caso. Se eu detecto pequenas áreas pela coloração, posso no mesmo tempo tratar com o laser, mas se forem grandes áreas, será melhor o uso de imunomoduladores.  


Anuscopia de alta resolução:


- Macroligadura elástica guiada por Doppler:
Essa técnica consiste em colocar os anéis elásticos sobre os vasos responsáveis pela formação das hemorroidas, só que em um ponto mais alto da mucosa retal. Eu tenho detectado detectado este ponto com o Doppler, sendo este o local escolhido para a colocação dos anéis elásticos.

Preparo do anel elástico:

Colocação dos anéis:


- Laser de CO2:
Tenho associado o laser juntamente com a anuscopia de alta-resolução para o tratamento do HVP e com a  ligadura elástica para o tratamento das hemorroidas internas de terceiro e quarto grau, na chamada hemorroidectomia hibrida.

laser e microscópio:



- THD:
o THD é uma técnica cirúrgica que tenho indicado para o tratamento das hemorroidas internas de grau III.
Hemorroida grauIV: Poderá ser associada ao laser para a retirada das pelinhas no lado de fora abertura anal que não serão retiradas pelo THD.


Técnica de THD:




Ligadura da artéria e redução do prolapso:



Acompanhamento:

Fone:
O paciente ficará com o telefone fixo e celular para manter contato, a hora que sentir necessário, muitos casos eu até combino o horário das ligações. 




Guia:
Os pacientes recebem um guia com todas as orientações comportamentais e nutricionais para um bom pós-operatório.


Guia: Dr Paulo Branco



Domiciliar:
Se necessário dispomos dos equipamentos especializados para um atendimento domiciliar, veja abaixo:

Domiciliar: